Desmistificando o consumo consciente

Já escrevi um post aqui no blog explicando o consumo consciente brevemente, mas existem assuntos que necessitam ser retomados com certa frequência para que não hajam dúvidas a respeito dele – e que possamos levantar novos questionamentos. Principalmente nos tempos atuais, onde tal prática tem se tornado cada vez mais imprescindível.

Antes de mais nada, é preciso entender, primeiramente, que o consumo consciente não quer dizer parar de consumir. Até porque, diante do modelo econômico que estamos inceridxs, essa prática seria uma missão impossível. O consumo consciente é sobre refletir a respeito do que estamos consumindo. É procurar entender e conhecer as nossas reais necessidades e a melhor maneira de supri-las (seja ela física ou psicológica).

+ + + Leia também: 9 dicas para ter um guarda roupa mais sustentável

Pra consumir conscientemente, o autoconhecimento pode ser uma peça fundamental para pratica-lo. Entender quem somos, o estilo de vida que levamos, no que trabalhamos, quais os nossos hobbies, quais locais gostamos de frequentar, como nos locomovemos, qual a minha condição financeira; é através do autoconhecimento que conseguimos entender nossas necessidades e como as suprimos através do consumo.

Dessa maneira, podemos entender que, sendo nós seres plurais, as nossas práticas de consumo consciente também serão diferentes.

O consumo consciente não precisa abranger apenas a moda ou beleza, mas também outros setores da nossa vida: até a comida. A intenção é levantar discussões sobre as consumo desenfreado. É entender que, pra chegar na sua casa, cada produto passa por diversos processos, utiliza recursos naturais, energia, trabalho de várias pessoas, transporte, etc.

O consumo consciente é uma mentira?

Quando pensamos que, para uma mudança verdadeira e significativa, a melhor opção seria a de não comprar nada, a ideia do consumo consciente se torna uma irrealidade. Visto que o consumo nos trouxe até a insustentabilidade em que estamos vivendo, a melhor saída para causar menos danos ao planeta seria deixar de consumir.

Como essa prática ainda é muito distante – e nós ainda precisamos do consumo para sobreviver – a ideia é repensar o que fazemos com esse poder de compra. É levantar questionamentos sobre o hiperconsumismo. Questionamentos sobre a superprodução de produtos, que leva as pessoas a consumirem coisas de maneira exagerada, que não precisam ou que não são duráveis.

consumo consciente

É questionar quem detém o poder de produção. Perguntar sobre sua mão de obra, sobre a origem da sua matéria prima, sobre práticas corporativas que visem diminuir o impacto negativo no planeta e quais investimentos estão sendo feitos para realizar mudanças ultra necessárias nos dias de hoje. É também pressionar órgãos governamentais para a implementação de políticas públicas que visem o bem estar social e ambiental.

Já avançamos alguns passos nesse caminho, mas ainda há uma longa trajetória pela frente. Então continuaremos levantando bandeiras, fazendo perguntas e compartilhando informações por aqui. Acreditamos no poder transformador do conhecimento e o impacto que ele pode causar nas nossas vidas.

ESPERO QUE COM ESSE POST, EU POSSA TER CONTRIBUÍDO PARA A SUA JORNADA MAIS CONSCIENTE. NÃO ESQUECE DE ME SEGUIR NO INSTAGRAM E LÁ NO YOUTUBE!

Author: Bruna Aureliano

Designer e criadora de conteúdo sobre estilo de vida consciente. Acredita que, para gerar transformações, é preciso compartilhar conhecimento. Vegetariana, adepta do minimalismo e canceriana com ascendente em aquário. Metade dela é sensibilidade e a outra é rebeldia.

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.