Por que o cabelo curto incomoda tanto?

Postei essa foto aqui lá Instagram junto com a seguinte pergunta: “Vocês já  ouviram coisas desagradáveis sobre o seu cabelo curto de algum parente/amigo/namoradx?” e para a minha não surpresa, recebi várias respostas onde compartilharam comigo histórias do que ouviram (e de quem ouviram).

Pois é, toda mulher de cabelo curto já ouviu algo desagradável a respeito do seu próprio cabelo.

Os comentários mais frequentes iam desde os “Por que você fez isso com o seu cabelo?”, “Nossa, mas você vai deixar crescer, né?”, “Está revoltada?”,“Era tão mais bonito grande!” até outros mais problemáticos como “Seu marido deixou você cortar assim?” (hômi não tem que deixar nada, beninas!), “Vai ter que usar algumas roupas mais femininas agora, né?” e“Ficou parecendo um homem!”.

Mas afinal, por que mulheres de cabelo curto incomodam tanto?

A gente não pode falar sobre isso sem antes entender um pouco sobre sexo e gênero. E um dos principais entendimentos é que gênero e sexo não são a mesma coisa, apesar de que todos nós temos ambos. Enquanto o sexo é biológico, definido quando você nasce e a partir do seu órgão sexual, o gênero é aquele conjunto de coisas que a cultura e a sociedade projetam ou esperam de você. E isso envolve o seu comportamento, a maneira como você vai falar, se vestir – e qual o comprimento ideal para o seu cabelo. São aquelas coisas consideradas masculinas e femininas, sabem?

Pra ficar mais claro, quando um bebê nasce e ele tá lá com o órgão reprodutor masculino (que está ligado ao sexo), a sociedade já tem pré-estabelecido pra ele comportamentos que o tornarão homem (que está relacionado ao gênero). Ou seja, ser corajoso, viril, não demonstrar emoções, etc. A mesma coisa acontece com as mulheres. Quando nascemos, a sociedade já tem uma série de normas comportamentais que nos definirão femininas, como: ser dócil, delicada, passiva, usar rosa, ter cabelo longo e por aí vai.

cabelo curto incomoda

+ + + Leia também: “Sou feminista”, eu disse.

Imagina que nessa história toda, existem dois pólos entre o que é ser mulher e o que é ser homem. Cada pólo tem suas próprias regras, padrões visuais e de comportamento. Se um cara é mais sensível, ele se afasta um pouquinho do polo do que a sociedade apresenta sobre o que é ser homem. Se uma mulher corta o cabelo curto, ela se afasta um pouco mais desses conceitos estabelecidos socialmente sobre qual aparência uma mulher deve ter.

Uma mulher de cabelo curto rompe com o que a sociedade projetou sobre o que é ser mulher. Ela está definindo, a partir de suas vivências e de como ela deseja aparentar, o próprio corpo feminino, construindo suas próprias narrativas.

É importante salientar que os estudos de gênero existem hoje porque em um momento da história, foi importante entender a construção dessa diferenciação. Foi (e ainda é!) importante apontar as desigualdades entre homens e mulheres dentro da sociedade. Desigualdades essas que existem porque foi dito que nós, enquanto mulheres (e isso é muito pautado pela biologia), somos inferiores, mais fracas e, por causa disso, merecemos menos direitos.

+ + + Assista os vídeos do meu canal do Youtube

Os estudos de gênero não negam a biologia, contudo, salienta que esses fatores biológicos não precisam definir nossa aparência ou padrões de comportamento. Esses estudos levantam discussões e pontos de vista sobre nossos posicionamentos dentro da sociedade: nossas configurações familiares, as diversidades sexuais, como a gente vai viver nossos relacionamentos afetivos, como nós existimos e nos identificamos. É aquela parte do conhecimento que assusta qualquer pessoa ou instituição conservadora. Afinal, tem coisa mais assustadora para quem é conservador do que pessoas – no nosso, caso, mulheres – que sabem quem são e que escolhem viver e aparentar como bem querem?

1: É necessário entender que o sexo não é irrefutável. Já existem muitas identidades de gênero que transcendem o que são definidos ao nascimento. Mas essa é uma conversa mais longa, então eu ficarei só por aqui hoje.

Author: Bruna Aureliano

Designer e criadora de conteúdo sobre estilo de vida consciente. Acredita que, para gerar transformações, é preciso compartilhar conhecimento. Vegetariana, adepta do minimalismo e canceriana com ascendente em aquário. Metade dela é sensibilidade e a outra é rebeldia.

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

  • Sim..já ouvi muito esse tipo de comentário…mas sempre coloquei TDS em seu devido lugar..pois a vdd é minha e se eu quiser eu passo a maquininha.e meu marido mãe filhos n tem q me permitir pois n vou deichar de ser mulher por conta de um cabelo….

  • Parabéns Bruna, amo meu cabelo curto, é bem parecido com o seu e você se expressa muitíssimo bem além de ser linda, provavelmente deve ter idade de ser minha filha, pois eu tenho 45 anos e quando coloquei meu aparelho auditivo ouvi todas essas bobagens, fazer o quê?
    É melhor que não ter meios de ouvir!
    Teria orgulho de ter uma filha como você, embora tenha um filho que me só me dá orgulho muitíssimo o Raphael!
    Bjs pra vc!

  • Eu precisava mto de ouvi isso de alguém,é bom saber q ainda existem pessoas como vc,saber discutir um assunto q em nossa sociedade pra alguns são rejeitados.
    Agora tenho a plena certeza q eu devo ser eu msm ,corta meu cabelo como eu quero,me sentir bem comigo é isso q eu quero.
    Obrigada 😍

  • Não acho q precise dessa narrativa toda para explicar pq mulheres tem cabelos longos. Elas no geral são muito vaidosas. E gostam de exibir seus cabelos lindos e longos. Se sentem mais atraentes. E querem se mostrar tanto para os homens qto para as outras mulheres. Querem provocar inveja nas mulheres e atrair a atenção dos homens. Questão de extinto, cultura. Como tudo existem excessões! Eu prefiro cabelos curtos pq fica melhor para o formato do meu rosto e ponto!

    • Oi Angela! Tudo bem? A narrativa toda foi para explicar o que você comentou: vaidade, cultura, estética. Que todos esses comportamentos e padrões não nascem do nada, eles são culturalmente construídos. Fico feliz que você se sinta bem com o seu cabelo! A intenção é que nós possamos nos sentir felizes com o comprimento de cabelo que quisermos ;)