Quais os impactos da viscose?

Imagem de capa: Campanha de Stella McCartney de 2015, que se comprometeu em utilizar viscose derivadas de fontes sustentáveis.

Quando falamos de sustentabilidade na moda, um dos primeiros questionamentos é o “do que são feitas as minhas roupas?“. Essa é uma pergunta muito importante, pois é a partir dela que sabemos qual a origem da matéria prima e qual a destinação final que podemos dar a roupa.

Precisamos entender primeiramente que toda matéria prima impactará o meio ambiente de alguma forma. A grande diferença é como e qual será o tamanho desse impacto. Já falamos aqui sobre os impactos da indústria têxtil e do cultivo de algodão para a produção de roupas. Hoje, o questionamento é sobre quais os impactos da viscose no meio ambiente.

VISCOSE? DE ONDE VEM? DO QUE SE ALIMENTA?

A viscose é um tecido produzido a partir da celulose. Sim, aquela que a gente encontra em árvores. Porém, apesar de sua matéria prima ser natural, é necessário que essa celulose passe por um processo químico para se tornar o fio que originará tecido. Por isso, a viscose é considerado um tecido de fibra artificial.

Segundo Elena Salcedo, autora do livro “Moda Ética para um Futuro Sustentável“, a celulose obtida para a produção da viscose é encontrada principalmente na madeira de árvores que crescem rapidamente, que é pobre em resíduos e podem ser transformadas em polpa com facilidade, tendo como exemplo a madeira de faia. Essa celulose quimicamente tratada transforma-se numa massa fluída que será fiada posteriormente. Dentre os produtos químicos utilizados, podemos citar o dissulfeto de carbono, a soda caustica e o ácido sulfúrico.

impactos da viscose
Toras extraídas ilegalmente da Terra Indígena Pirititi, em Roraima – 15 06 2018. Foto: Felipe Werneck/Ibama | Foto: Divulgação

Quais os reais impactos desse processo?

Quando falamos em produção de algo cuja matéria prima principal vem da árvore, a primeira consequência que podemos pensar é desmatamento. A dependência da celulose proveniente de árvores nesse processo pode comprometer florestas nativas e contribuir para o crescimento de áreas desmatadas. E quando falamos dessa ameaça, podemos incluir florestas como a Amazônia, por exemplo.

Outro grande problema é o uso da água, que é requerida em grandes quantidades para a produção da polpa da celulose. Nesse processo, há também a contaminação de rios e afluentes com o despejo dos produtos químicos, sem passar anteriormente por nenhum tratamento, utilizados na fabricação da viscose.

Esses impactos ambientais também afetam diretamente trabalhadores e comunidades, quando eles têm contato com esses ambientes contaminados. O dissulfeto de carbono, por exemplo, está associado a doenças coronárias, de pele e câncer. Historicamente, descobriu-se que seu uso causa graves problemas de saúde mental em trabalhadores da fábrica de borracha expostos a altos níveis dessa toxina¹.

fast fashion, durabilidade e cuidados

A produção da viscose foi moldada ao processo acelerado e adepto ao descarte que é propagado pelo fast fashion. O que encontramos no mercado hoje é uma viscose com pouca qualidade, proveniente de fontes desconhecidas e que resultará em roupas que estragarão com muito mais facilidade.

A velocidade no qual a produção e o consumo de roupas se dá torna impossível também que se haja um manejo sustentável dessa matéria prima, já que árvores levam tempo pra crescer. Com esse movimento tão acelerado, vivemos num processo onde tiramos mais rápido do que a natureza é capaz de restaurar.

O que a gente faz pra mudar isso?

Consumir conscientemente é uma das coisas que podemos fazer, optando por peças de qualidade e cobrando das grandes marcas a origem da viscose que eles utilizam. Como alternativa no mercado, temos as fibras de viscose e modal da Lenzing, para uma produção eco-friendly.

Podemos nos comprometer, enquanto usuários, em cuidar adequadamente das peças produzidas com esse material a fim de prolongar a vida útil das nossas roupas.

+ + + Leia também: Como fazer as suas roupas durarem mais?

Mas a gente precisa estar atento também aos comportamentos de consumo desenfreado e na necessidade urgente de mudarmos os processos de produção na moda. Quando falamos de sustentabilidade, ela precisa envolver desde concepção da matéria prima até o pós consumo e descarte da roupa. É preciso olhar o todo e estabelecer mudanças significativas, para assim gerar transformações concretas.

F O N T E S :

O artigo 4 razões para você pensar duas vezes antes de optar pela viscose, do site Modefica, escrito pela Marina Colerato.

O livro Moda Ética Para Um Futuro Sustentável, da Elena Salcedo.

¹ Matéria do The Guardian citada também no artigo da Marina Colerato.

Author: Bruna Aureliano

Designer e criadora de conteúdo sobre estilo de vida consciente. Acredita que, para gerar transformações, é preciso compartilhar conhecimento. Vegetariana, adepta do minimalismo e canceriana com ascendente em aquário. Metade dela é sensibilidade e a outra é rebeldia.

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.